Como se comportar diante de um autista

29 mar 2017
Comunicação CI
934
0

Geralmente, percebemos uma enorme ofensa de diversas partes da sociedade que buscam não apenas denegrir, mas por meio de uma brincadeira de muito mal gosto, polemizar e contribuir para que a população continue leiga e alienada em assuntos que deveriam ser tratados com suma importância pela relevância que os seus aspectos oferecem. O autismo possui uma gama de particularidades e é uma fonte de imaginações, devemos ir além e aprender não somente a respeitar, mas sim, saber como se comportar diante de uma realidade tão ampla quanto a do autista. Buscamos então nesta matéria, introduzir as pessoas a realidade de alguém que porte o transtorno e como deve ser a maneira na qual devemos trata-los.

Inicialmente, vamos listar dez coisas que crianças altistas gostariam que você soubesse, principalmente que ela é uma criança e o autismo não há define como pessoa. Que suas percepções sensoriais estão desorganizadas, é bom conseguir compreender palavras como “não quero” ou “não consigo”, que o autista normalmente se orienta muito pela visão, é sempre bom também ajudar um autista nas relações sociais, normalmente eles não sabem como iniciar uma conversa ou simplesmente entrar em uma brincadeira, sempre é bom e aconselhável também reconhecer o que inicia os surtos de autismo, é importantíssimo.

Tendo em vista os aspectos observados no texto, o autismo é visto hoje em dia como um “tabu”, é fato que informação mais autismo gera menos preconceito, a doença que muitas vezes é atribuída a um retardamento ou problematizada por meio de algumas pessoas, na verdade deve ser interpretada como uma forma independente e única de ver o mundo, o seu próprio mundo, o autismo não diminui ninguém, ele faz com que uma pessoa cresça, e embora contribua para dificuldade de relacionamento social, ajuda bastante na forma de como essas pessoas veem o mundo, algo limpo e apenas seu.