Os tios do dia a dia

23 mar 2017
Comunicação CI
2011
0

Tendo em vista o tema da semana voltado para os funcionários, vamos falar sobre os da ETEPAM, aqueles que temos mais contato por estarem presentes no nosso cotidiano e prestam serviços exclusivamente à instituição.

Diariamente, estamos rodeados por uma gama de funcionário dentro da ETEPAM, pessoas que nos servem, limpam aonde sentamos ou aonde vamos estar, atendem com todo bom gosto, ouvem os nossos pedidos e até batalham por nós e lutam com todo o afinco pelos nossos direitos.

Hoje, dia 22 de março de 2017, decidimos entrevistar, ouvir e procurar saber mais sobre essas pessoas que passam todos os dias conosco, pessoas que se emocionam, lutam e vivem em busca de seus direitos, elas vêm de muito longe exercer a sua profissão com um sorriso largo no rosto, servindo e dedicando-se cada vez mais por um simples e mísero “obrigado”, por um singelo reconhecimento. A essas pessoas dedicamos não apenas uma matéria, mas sim, uma genuína homenagem.

Conversamos com todos os tipos de pessoas. Allisson Apolonio, professor da base técnica de Logística da Escola Técnica Estadual Professor Agamenon Magalhães, “O que me motiva a continuar dando aula é o interesse dos estudantes” diz ele, e segundo o próprio, “A minha maior esperança profissional é a formação de profissionais desejáveis no mercado de trabalho”.

Gerlene Tavares, auxiliar de serviços gerais, mostrou uma lição de grande aprendizado para nós, “Depois de virar mãe, nós sonhamos pelos nossos filhos, eu sonho pelo meu”.

Ernandes Alexandre, auxiliar de cozinha, mora em Jaboatão dos Guararapes, mas não se entristece, trabalha na escola a 2 anos e ama a sua função.

Andréa Balbino, esbanja felicidade e amor pelo seu trabalho, trabalha na instituição há 7 anos, “O que me motiva é poder contribuir para melhoria do indivíduo. A minha maior esperança é que as pessoas melhorem, sejam mais humanas e amem a Deus acima de tudo”, diz ela cheia de compaixão.

Luciene Salvador é bibliotecária na instituição, voluntária bolsista, mas também professora de Ética e Empreendedorismo, esbanjando experiências profissionais, também é uma guerreira na vida, “Eu amo o que faço e faria tudo novamente”, “Eu tenho a esperança de ter um emprego fixo, para assim me aposentar”, citou.

E por fim, mas não menos importante, a professora da base comum da instituição, Lucineide Valeria, trabalha no colégio a cerca de 1 ano e 3 meses, mas tem 22 anos de vida profissional, ela ama a sua profissão, “A minha maior esperança é que os meus estudantes sejam agentes modificadores na sociedade, que eles sejam corajosos e lutem pelos seus direitos mais do que nós lutamos”, abordou.

Conclui-se que estas pessoas são as engrenagens da instituição e delas nós dependemos, nossos funcionários são de suma importância para o bem de todos que partilham deste patrimônio.

Fiquem ligados para a última parte do nosso tema que será postado nesta sexta-feira (24/03) !!!