Por que nós devemos falar sobre “Os 13 porquês”

10 abr 2017
Comunicação CI
1913
0

Nos dias atuais notamos que o principal assunto de diversas rodas de conversas entre os estudantes da ETEPAM e das redes sociais é a série “13 Reasons Why”, e precisamos sobretudo identificar a ideia inovadora e conscientizadora que essa série traz abordando em treze capítulos a história de uma adolescente que cometeu suicídio, e quando, enfim, reconhecemos a verdadeira mensagem que se propaga. Nós conseguimos identificar a verdadeira história, não de apenas um suicídio, mas de uma história de diversos tipos de bullying e diversos tipos de abusos relacionados à um romance impossível, sendo uma ótima alternativa nas horas vagas. Essa semana nós procuramos abordar algo diferente, ao invés de trazer as frequentes três matérias semanais nós vamos destruir o padrão por apenas uma semana e procurar trazer as três em apenas uma, nós ressaltamos a nossa verdadeira vontade e felicidade expressada nessa matéria, e para os leitores, dedicamos não apenas uma matéria, mas um genuíno e mais puro abraço.

Existem diversos tipos de bullying, podemos citar alguns deles: Físico, Verbal, Moral, Psicológico e o Sexual, pelo menos são esses os que nós conseguimos identificar no decorrer de todos os episódios, isso só revela o quanto ainda é um “tabu” alguns conceitos. O bullying físico é comum, parte da agressão sofrida pelo jovem; o verbal é mais comum ainda, graças ao potencial de pessoas que usam as famosas piadinhas, ameaças e fofocas, que denigrem mais ainda a reputação de uma pessoa, principalmente se for um adolescente; o psicológico faz com que a pessoa sempre pareça culpada, ataca diretamente o lado emocional da vítima, e por fim, o sexual que é comum com meninas, usam da forma física para marcar essas pessoas, sendo o próprio abuso físico, as simples passadas de mão ou até, infelizmente, o estupro. Algo que muitos adoram não citar mas que tem uma relevância fundamental nesse assunto é a forma que na maioria das vezes a vítima se transforma em culpada, é o próprio bullying psicológico em ação, e isso, infelizmente, acaba sendo o fator determinante de algumas pessoas que escolhem o suicídio à continuar sofrendo nas mãos de diversas pessoas, muitos pensam que isso é um ato de fraqueza, alguns julgam o drama e vão além quando citam que a vítima só faz o que fez para aparecer e chamar atenção, isso apenas revela o pior de nós que temos a oferecer, infelizmente, muitas pessoas acabam se martirizando e sofrendo as consequências do que as pessoas praticam contra si, acabam se ferindo, ressaltamos então, a nossa vontade e principalmente a nossa proposta de fazer com que todos tenham mais uma chance, e que não desistam qualquer que seja a sua realidade, você pode criar outra ou até mesmo que se reencontrar, mas nunca desistir.

É importante recorrer aos aspectos que abordamos no texto para refletir que talvez o abraço que dermos hoje e que fará com que alguém conquiste o seu dia pode ser o abraço que receberemos amanhã e que ganhará o nosso dia por nós. Lutar com unhas e dentes, abrir os olhos, agradecer, sorrir, sentir, nunca desistir da nossa humanidade, nós erramos de todas as formas, machucamos pessoas de uma forma que não sabemos e apenas vivemos, relembrar inclusive, que acima de qualquer país, continente ou qualquer que seja a fronteira, nós somos irmãos, humanos, e não devemos deixar com que nossas diferenças imperem sobre o nosso amor, que sinceramente, pode ser mobilizador e maior que tudo, muitos julgam como nossa maior fraqueza, na verdade, o sentido de amar o próximo é o nosso maior triunfo. Ame ao próximo como a ti mesmo, e continue lutando, talvez mesmo que você não sinta na pele essa dor como outros, se rebele de qualquer forma, quando algumas pessoas superiores caçoam ou ridicularizam outras, as que estão abaixo em questão de hierarquia acham que tem a permissão para com isso, e essa é uma das maiores dificuldades que nós podemos encontrar no nosso mundo, talvez simples “bom dia” ou “como vai”, podem mudar o dia de alguém, sejamos, enfim, a mudança que desejamos esperar do mundo, sejamos a diferença que mudará essa realidade, sejamos a esperança.